Espalhe!
  • Bate Papo 0
    Guilherme Borges

    07 de Novembro de 2017 por Guilherme Borges

    Campanha: 3 vitórias e 1 derrota

    Ao olhar o calendário, a semana do Lakers parecia meio desanimadora. Os motivos? Bom, estávamos com um retrospecto de 2 vitórias e 4 derrotas; e além disso teríamos que enfrentar 3 times de Playoffs (Detroit, Portland e Memphis) – sendo que dois deles, Detroit e Memphis, estavam ocupando as primeiras colocações de suas respectivas conferências - e um time que vinha jogando razoavelmente bem (Brooklyn Nets). E como nos saímos? Acompanhe aí o resumo!

    Lakers 113 x 93 Pistons

    Resultado de imagem para lakers pistons

    O time de Detroit vinha de três vitórias consecutivas contra Timberwolves, Clippers, e Warrios. Depois de enfrentar (e vencer) três das melhores equipes da NBA atual, o confronto contra o Roxo e Dourado de LA significava só uma coisa: presa fácil. E até parecia que ia ser assim, quando nos primeiros minutos do jogo o time visitante abriu 4 pontos de vantagem. E foi isso. Só isso. Depois disso o Lakers empatou, virou, e não teve mais conhecimento do Detroit no restante da partida.

    O domínio do Lakers foi tanto que fomos melhor em quase todos os quesitos do jogo: FG% (43,6% X 49,5%), 3P% (30,3% X 46,2%), FT% (33,3% X 78,6%), assistências (21 X 30), rebotes (44 X 53), roubos de bola (7 X 9) e “tocos” (3 X 5). Além desses números, nos placares parciais de cada um dos quartos, nós lideramos todos, o que só aconteceu nesse jogo na temporada (até agora).
    A defesa foi sólida; as bolas de três foram constantes; fizemos um belo jogo movimentando a bola “de dentro para fora” (do garrafão para a linha dos 3); e alguns jogadores tiveram excelentes performances individuais.

    Pontos Positivos:

    O Lakers jogou bem como um todo, mas eu gostaria de destacar um ponto positivo em específico: Nossa defesa foi extremamente eficiente, mantendo o Pistons com poucos pontos, e além disso mandando o adversário para a linha do lance livre apenas TRÊS vezes o jogo todo. Esse é um ponto que o Luke tem insistindo, sendo que a primeira falta foi só na metade do terceiro quarto. Aliás, empatamos o recorde de menos lances livres em um jogo do Lakers.

    Pontos negativos:

    Duas performances individuais foram negativas. Brook Lopez até então não vinha jogando bem (até o final desse artigo a situação muda, fique tranquilo) e repetiu uma performance ruim; e Jordan Clarkson que vinha entrando muito bem, mas fez uma partida pior do que as anteriores, apesar dos 10 pontos.
    Lakers X Portland (110 x 113).

    Confira os lances deste jogo

    Lakers 110 x 113 Portland


    O Lakers viajou até Portland empolgado contra a vitória sobre o Pistons, e vencer o Blazers, fora de casa, significaria uma evolução gigante na temporada. Infelizmente a vitória não veio, mas, mesmo assim, o jogo foi empolgante. O que aparentemente seria um massacre do Portland (e foi, até meados do terceiro quarto), se transformou em um jogo eletrizante, e a equipe da casa precisou de uma bola de 3 salvadora de Damian Lillard nos últimos segundos do jogo para não deixar que a partida fosse levada para a prorrogação.

    O jogo foi parelho, e, novamente o Lakers conseguiu voltar fazendo uma excelente performance defensiva, principalmente no final do segundo quarto e no começo do terceiro. Aliás, dos 113 pontos marcados pelo Blazers na partida, apenas 46 foram marcados no segundo e terceiro quartos. Vale dizer que para um time que tomou 41 pontos no primeiro quarto, o Lakers teve que jogar muito bem defensivamente para acabar somente três pontos atrás. Outro número interessante: nos arremessos de quadra, tivemos um aproveitamento melhor do que o time da casa: 54,4% contra 46,5%, apesar do nosso péssimo aproveitamento dos 3 pontos (22,2%).

    Pontos Positivos:

    Em questão de performances individuais, Brook Lopez começou a encontrar seu ritmo nesse jogo (e só melhorou desde então), fazendo uma partida praticamente impecável, enquanto Kuzma também apareceu muito bem mostrando um arsenal completo do ponto de vista ofensivo. Brandon Ingram também se recuperou de primeiros jogos não tão positivos. Como time, foi bom ver que o péssimo primeiro quarto não abalou (muito) a equipe, e voltamos a confiar na nossa defesa e a defender bem para virar o jogo e quase ganhar.

    Pontos Negativos:

    Lonzo Ball fez uma péssima partida. Sua contribuição se limitou a duas boas jogadas defensivas que geraram 2 tocos (ok, tiveram algumas assistências e alguns rebotes também). Outro ponto negativo foi a perda do, então titular, Larry Nance Jr. que deixou o jogo com uma fratura na mão. Do ponto de vista do time como um todo, o primeiro quarto foi um desastre (ofensiva e defensivamente), e cada arremesso de três uma decepção diferente.

    Confira os lances deste jogo

    Lakers 124 x 112 Nets


    Os amantes de D’Angelo Russel e críticos da troca que tirou o armador da franquia de Los Angeles já estavam preparados para soltar um: “eu disse que essa troca foi horrível”; ou então: “ninguém mandou trocar o Russell, agora ele está jogando muito e o Ball não está jogando nada”. Ficou para próxima. Olhando só pontuação e aproveitamentos, talvez você fique com a impressão de que Russell se saiu melhor do que Ball. Mas basquete não é só isso. Analisando o +/- de cada um (que mede a eficiência do time com determinado jogador em quadra), temos uma representação mais real do jogo: Russel teve -9, enquanto Ball +22 (o melhor do Lakers). O porquê? Simples: Lonzo não desperdiçou a bola, e jogou muito bem defensivamente, dois dos motivos aliás, que influenciaram a saída de Russel do time Angelino.

    Não adianta, todo mundo estava observando como as peças envolvidas na troca que tirou Mozgov e Russell do Lakers, e trouxe Brook Lopez e Kyle Kuzma, iriam influenciar na partida. No final, o time da Califórnia se deu melhor. Kuzma, em sua primeira partida como titular, fez um duplo-duplo com 21 pontos e 13 rebotes, com um aproveitamento de 72,7% nos arremessos de quadra. Lopez, não satisfeito com a excelente performance no jogo anterior, resolveu subir ainda mais o nível e mostrar porque já foi All-star, também anotando um duplo-duplo, com 34 pontos e 10 rebotes, além de três tocos, e um aproveitamento de 66,7% (6 de 9) das bolas de 3 pontos.

    O jogo foi bom para nós porque os confrontos de jogador contra jogador em suas respectivas posições (matchups) eram extremamente positivos para o Lakers, e conseguimos nos impor como um elenco, além disso.

    Pontos Positivos:

    Nesse jogo enfrentamos o time que tem maior número de posses de bola por 48 minutos (pace) de toda liga (106.7) e apesar disso, mantivemos ele somente com 112 pontos. Kuzma foi excelente como titular, e Lopez encontrou consistência nas bolas de 3 pelo segundo jogo consecutivo.

    Pontos Negativos:

    Nosso time cometeu muitas faltas (29), sendo que 4 delas foram de arremessos da linha dos 3 pontos que geraram, ou 3 lances-livres, ou jogadas de 4 pontos. Além desse ponto negativo, tivemos também uma performance do banco de reservas bem abaixo do que normalmente vemos (apenas 39 pts.), muito por causa da entrada de Kuzma como titular.

    Confira os lances deste jogo

    Lakers 107 x 102 Grizzlies


    Eu sei, você, assim como eu, viu só o reprise do jogo porque, afinal “ficar acordado até 3 da manhã para ver o Lakers tomando ‘um sacode’ do Memphis, ninguém merece”. Na manhã seguinte a do jogo, duas mensagens no grupo do LABR me chamaram atenção: “abrimos 22 pontos de vantagem contra o Memphis” e “KCP, que homem!” (não vou entregar os autores das frases). Se tivesse que escolher a melhor partida do Lakers na semana, eu escolheria essa. Sim, contra o Detroit nós jogamos muito, mas eu realmente considero o time do Grizzlies mais completo e mais difícil de ser batido tanto pelas características do time adversário, quanto pelas nossas.

    O cômico disso tudo é que as duas frases destacadas realmente resumem bem a partida: depois de dois quartos disputadíssimos, o Lakers abriu uma vantagem de 22 pontos no terceiro quarto (detalhe: os primeiros pontos do terceiro quarto vieram só aos 9 min e 19 segundos com uma bola de 3 do Kuzma), e só não perdeu essa vantagem por causa de uma jogada defensiva incrível do KCP nos últimos segundos, que gerou um roubo de bola, e um arremesso decisivo, também dele, na posse seguinte.

    As estatísticas dão uma ideia do equilíbrio do jogo: ganhamos em arremessos de quadra (46% X 47,1%), em rebotes (39 X 46), em arremessos de 3 pontos (29,7% X 33,3%), em assistências (25 X 23) e em pontos no garrafão (48 X 54); mas perdemos em desperdícios de bola (12 X 16), em roubos de bola (6 X 5), em tocos (7 X 4), em pontos de contra ataque (20 x 16) e em pontos do banco (46 x 29). Em lances livres podemos considerar que houve empate técnico (78,6% X 78,3%).

    Pontos Positivos:

    Dos jogadores, novamente Ingram, Lopez, Kuzma (13pts e 12 reb), Clarkson, Randle e KCP fizeram ao menos 10 pontos, enquanto Lonzo teve 9 assistências. Como um time, vale ressaltar que nós abrimos uma vantagem e conseguimos segurar a reação do Memphis no final, o que é importante já que com um time de garotos “fechar” jogos na NBA pode ser difícil.

    Pontos Negativos:

    Lonzo ainda não encontrou seu ritmo nos arremessos, e a transição para ser mais agressivo em relação a cesta tem sido difícil. Como time, no final do jogo, o Lakers se encolheu um pouco e parou de apresentar o jogo envolvente dos outros quartos (de toque, bloqueios, e infiltrações e movimentação sem a bola), e também teve uma performance defensiva pior do que vem apresentando (também é mérito do forte time do Memphis).

    Confira os lances deste jogo

    Lakers ao final da semana: Do dia 31 de outubro até o dia 6 de novembro o Lakers liderou a liga em: Aproveitamento nos arremessos de quadra (55,6%) e em aproveitamento nos arremessos de 2 pontos (63,7%), além da 6ª melhor campanha da liga na semana (3 vitórias e 1 derrota). Nos demais quesitos, apesar de não liderar, e de ocupar posição mediana, houve significativa melhora quando comparado com as outras duas semanas.

    Mais uma semana vem aí, e teremos muitos jogos fora de casa. E aí, o que esperam? Comentem!

    Fala aí!