Espalhe!
  • Bate Papo 0
    Lucas Fuson

    01 de Fevereiro de 2018 por Lucas Fuson

    Durante toda a história do Lakers, desde os tempos de Minneapolis, em toda dinastia e nos 16 títulos do Lakers, houveram gigantes dentro do garrafão, dentre entre eles: George Mikan, Wilt Chamberlain, Kareem Abdul-Jabbar, Shaquille O’Neal e, mais recentemente, Pau Gasol. Calma, Kurt Rambis não é um Hall da Fama e nem um gigante como estes citados, mas, com certeza, é um dos personagens mais icônicos do Showtime do Lakers dos anos 80, e, mesmo não sendo um grande pivô, aparecia como um gigante e atrapalhava muito os adversários dentro do garrafão.

    Talvez você o conheça em vê-lo à beira quadra como auxiliar técnico do Lakers ou como atual técnico do Knicks. Ou então talvez você lembra daquele cara que aparece nos vídeos do Showtime que usava um óculos engraçado, que tinha um corte de cabelo daqueles tipo Chitãozinho e Xororó, bigode e mais parecia um “nerd” do que um jogador de NBA. Há ainda quem diga que ele é o primeiro dos “hipsters”.

    Kurt Rambis foi selecionado pelo Knicks no draft de 1980, na 58º escolha, porém não chegou a atuar em Nova Iorque, mas sim na Grécia, onde foi campeão da Greek Cup pelo AEK Athens, neste mesmo ano. Em 1981 ele assinou com o Los Angeles Lakers e então começava uma história que terminaria com 4 títulos da NBA.

    O Faz Tudo

    Com 2,03m de altura, Rambis não é um cara alto para sua posição: Ala de Força (PF). Ainda assim, se destacou jogando dentro do garrafão. Sempre entrava com muita raça e disposição, não havia bola perdida. Brigava por cada rebote e cada disputa de bola. Ele era uma arma fortíssima na defesa do Lakers, pois estava lá pra fazer o trabalho sujo que poucos jogadores estavam dispostos a fazer.

    Mas ele não se limitava a defender, no ataque Rambis limpava as jogadas para os companheiros, se movimentava bem sem a bola para receber bons passes e estava voando em todos os contra ataques junto a Magic Johnson, pronto para receber o passe e ir para a enterrada, levando os fãs à loucura.

    O Superman

    Quando Chick Hearn, lendário narrador do Lakers, anunciava o camisa 31 durante os jogos, ele o chamava de “Superman”, remetendo ao super-herói que usava um par de óculos tal como os de Kurt.

    Em uma das noites mais inesquecíveis de Kurt Rambis, Hearn o anunciou um pouco diferente. Nesta ocasião ele chamou “O retorno do Superman”. Isso porque desta vez o Rambis não estava vestindo a camisa do Lakers.

    Após o título de 1988 ele foi trocado para o Hornets. Quando seu novo time veio jogar em Los Angeles, foi feita uma homenagem para que ele recebesse seu anel de campeão da temporada anterior e quem discursou foi ninguém menos que Kareem Abdul-Jabbar. Mas o que foi mais emocionante nesta noite foi não foi o discurso do “Capitão”, mas a recepção dada pelos fãs presentes no Fórum, que o aplaudiram calorosamente e o ovacionaram de pé, como uma forma de agradecimento por todos os oito anos de dedicação e entrega que o “Superman” deu ao time Angelino.

    Enfim, assistente campeão

    Após passar por Charlotte Hornets, Phoenix Suns e Sacramento Kings, ele retornou ao Lakers na temporada 1994/95. Em seu retorno atuou tanto como jogador quanto como assistente técnico especial. Assim foi por duas temporadas, até que em 1996 se aposentou como jogador, mantendo-se como assistente técnico. Neste papel foi campeão com o Lakers em mais cinco oportunidades ao lado de Phil Jackson.

    Kurt Rambis teve a oportunidade de atuar em duas dinastias vencedoras do Lakers. Foram 9 títulos, contribuindo dentro e fora das quadras. Por isso quando seu nome é citado, é impossível não lembrar dos títulos do Lakers imediatamente.

    Fala aí!