Espalhe!
  • Bate Papo 0
    Ricardo Romanelli

    19 de Julho de 2018 por Ricardo Romanelli

    No basquete, a camisa número 23 carrega uma mística própria. Similarmente à 10 no futebol, a camisa 23 ficou eternizada pelo maior nome do esporte, e desde então muitos atletas passaram a adotar o número, seja como homenagem ou inspiração.

    LeBron James, novo Laker, também é um adepto da numeração. Mas é claro que ele não será o primeiro a vestir a icônica camisa na história do Lakers. No decorrer dos anos, quatorze atletas já usaram este número em suas passagens pela franquia:

    Ed Kalafat: 1955-1957

    Boo Ellis: 1959

    Jim Barnes: 1967-1968

    Stu Lantz: 1975-1976

    Lou Hudson: 1978-1979

    Tony Jackson: 1981

    Jerome Henderson: 1986

    Reggie Jordan: 1994

    Cedric Ceballos: 1995-1997

    Mario Bennett: 1998

    Mitch Richmond: 2002

    Von Wafer: 2006

    Lou Williams: 2016-2017

    Gary Payton II: 2018

    Histórico de pouco destaque

    Poucos tiveram algum destaque, é verdade. Ed Kalafat e Boo Ellis jogaram na época do Minneapolis Lakers e passaram longe de fazer história. Jim “Bad News” Barnes era um jogador de certo destaque na NBA, onde teve uma carreira de treze temporadas, mas seus dois anos com o Lakers foram também apagados. Stu Lantz também teve uma carreira mediana dentro das quadras, e jogou no Lakers nos dois últimos anos de sua trajetória como profissional. O destaque fica, entretanto, pelo fato dele ser comentarista da equipe de transmissão do Lakers desde 1987, tendo dividido a cabine com narradores como o lendário Chick Hearn, Paul Sunderland, Joel Meyers e atualmente Bill Macdonald.


    “Sweet Lou” Hudson era um all-star da NBA com bom arremesso e bom pontuador, mas também jogou no Lakers apenas os dois últimos anos da carreira, sem grandes atuações. Tony Jackson, em 1981, jogou apenas dois jogos em sua carreira profissional na NBA, ambos pelo Lakers. Jerome Henderson, seu sucessor na numeração, foi um pouco mais longe, tendo atuado em sete partidas em suas duas temporadas na liga, sendo apenas uma pelo Lakers.

    Já nos anos 90, onde a camisa 23 já havia adquirido o status de lendária graças a Michael Jordan, o primeiro Laker a usar o número tinha o mesmo sobrenome. O armador Reggie Jordan, que jogou apenas uma temporada com a franquia, chegou a anotar a melhor marca de sua carreira neste ano, registrando 28 pontos em partida contra o Utah Jazz. Cedric Ceballos, que usou o número por três temporadas, talvez tenha sido o número 23 mais marcante da história do Lakers. O explosivo ala-armador era um dos favoritos da torcida durante uma entressafra pela qual o time passou, um período de transição entre seus títulos nos anos 1980 e os do novo milênio. Ao lado de nomes como Nick Van Excel e Eddie Jones, Ceballos fazia parte de um divertido núcleo jovem que empolgou o torcedor naqueles anos.


    Na sequência, Mario Bennet pouco fez. Em apenas 46 jogos pelo Lakers em suas quatro temporadas na NBA, não deixou lembranças. Depois veio Mitch Richmond, um veterano da NBA que participou da campanha do terceiro título da dupla Shaq e Kobe. Apesar de atuar muito pouco, nesta que foi a última temporada dele na liga, Richmond era um atleta de respeito na NBA. Com quatorze temporadas em sua carreira profissional, foi seis vezes All-Star e teve sua camisa número 2 aposentada pelo Sacramento Kings, time por onde jogou na maior parte da carreira. Foi também o único a conquistar um título com esta camisa na franquia.

    Na história mais recente, em 2006, o explosivo Von Wafer jogou apenas uma campanha pela franquia, e não conseguiu se firmar na NBA. Lou Williams, entre 2016 e 2017, chegou a deixar sua marca. Ele participou de duas das piores temporadas da história do Lakers, mas era um jogador divertido dentro e fora da quadra, conquistando a simpatia dos torcedores. O último a utilizar a icônica camisa foi Gary Payton II, na recém terminada temporada de 2017-18. O filho do lendário Gary Payton, que também jogou no Lakers, pouco atuou, dividindo tempo entre o time principal e o South Bay Lakers, na G-League.


    Aposentadoria à vista?

    Até hoje, a camisa número 23 do Lakers passou por um misto de jogadores que ou não tinham tanta expressão, ou tiveram mais destaque pelo que fizeram em outros times ou fora das quadras, com a exceção sendo Ceballos, que provavelmente teve o melhor período da carreira com o Lakers. LeBron chega para, de cara, ser disparado o melhor atleta a vestir esse número no Lakers, e se todas as expectativas sobre sua contratação se confirmarem, pode ser que vejamos esta camisa pendurada com os outros números lendários no teto do Staples Center. A nossa torcida, portanto, é para que LeBron seja o último Laker a vestir a icônica camisa número 23 no uniforme roxo e dourado.

    Fala aí!