Espalhe!
  • Bate Papo 0
    Ricardo Romanelli

    02 de Julho de 2018 por Ricardo Romanelli

    A notícia, você já sabe: depois de meses de especulação, LeBron James decidiu assinar com o Lakers por quatro temporadas. Aos 33 anos, James é o melhor jogador da NBA, e deve transformar o Lakers em uma das forças da liga da noite para o dia.

    Ainda não sabemos quem fará parte do elenco final. Existe uma negociação em andamento para tentar fechar uma troca por Kawhi Leonard, do San Antonio Spurs, além da incerteza que paira sobre as renovações de Julius Randle e Brook Lopez, titulares do garrafão na última temporada.

    O Lakers volta a ser protagonista

    O que se sabe é que, independente do time, o Lakers volta a ser um dos protagonistas da NBA. Com 16 títulos e 31 aparições em Finais em suas 61 temporadas, esta é uma posição com a qual a franquia está mais do que acostumadoa mas para a qual vinha tendo dificuldade para retornar nos últimos anos. Desde a lesão no tendão de aquiles de Kobe Bryant, o time já passou cinco temporadas sem chegar aos playoffs.

    Mas tudo isso certamente muda com a chegada de James, e é claro que numa franquia com tanta história, a contratação dele traça paralelos interessantes com o passado. O primeiro e mais parecido exemplo é o de Wilt Chamberlain. O pivô foi a grande força ofensiva da NBA nos anos 60, superando seus adversários com extraordinária dominância física, mental e técnica. Parece com alguém? Pois é. 

    Cenário semelhante a chegada de Chamberlain em 1968

    Em 1968, Chamberlain, aos 32 anos, foi trocado para o Lakers. Ele era, na época, o MVP da NBA, e tinha sua carreira marcada por sucessivas derrotas para a dinastia do Boston Celtics nos playoffs. Em Los Angeles, ele chegou para ser a âncora de um time com os lendários Jerry West e Elgin Baylor no perímetro. O resto é história: Chamberlain foi quatro vezes All-Star pelo Lakers, e venceu o título da NBA de 1972, sendo o MVP das Finais. Em seu período com o time, ainda foi nomeado duas vezes para o All-Defensive Team da NBA, além de liderar a liga em rebotes em três temporadas. Ele deixou a franquia em 1973, aos 36 anos, quando finalmente sua produção decaiu.

    O exemplo de Chamberlain é perfeito para ilustrar que, ressalvado o risco de uma lesão importante, James ainda tem muito a contribuir para o basquete e, é claro, com o Lakers. Ele chega para fazer parte de um time de garotos que busca identidade e afirmação, e para exercer a liderança que lhe transformou no jogador de basquete mais imparável e reconhecido do planeta. Este pano de fundo, numa franquia com bons talentos e opções para adquirir mais bons atletas, sediada numa cidade acostumada a vencer, é uma receita de sucesso garantido. 

    Fora do Lakers, outros exemplos se destacam. Michael Jordan, eterno fantasma que todos os grandes jogadores perseguem, venceu seus últimos três títulos entre os 32 e 35 anos de idade, chegando a vencer dois prêmios de MVP da liga neste período. Este prêmio, aliás, está ao alcance de LeBron na próxima temporada. Ele foi um dos finalistas do troféu neste ano, e devolvendo o Lakers aos playoffs no ano que vem, sua performance e a narrativa devem favorecê-lo para mais um MVP. 

    LeBron James e a possibilidade de mais um MVP

    Atualmente, LeBron tem quatro troféus de MVP, empatado em terceiro lugar na lista de maiores vencedores do prêmio, com o próprio Wilt Chamberlain. Michael Jordan e Bill Russell têm cinco, enquanto que Kareem Abdul-Jabbar venceu o prêmio seis vezes. Vencendo mais duas vezes, LeBron poderia empatar com Kareem, passando Jordan no processo. 

    Em termos de títulos, a conversa é mais ampla, e depende do time que o Lakers conseguir montar em torno dele. Mas caso consiga vencer, por exemplo, mais dois campeonatos, ele empataria com atletas como Kobe Bryant e Magic Johnson como jogadores com cinco títulos da NBA. 

    O sonho de mais uma final entre Lakers x Celtics

    Quer mais? No Leste, o Boston Celtics emerge como principal força. Se LeBron conseguir levar o Lakers a uma nova final contra o Celtics, seu maior rival, seria o maior feito da NBA em muito tempo. Além disso, caso vença os mesmos dois títulos que trouxemos como hipótese, passaria o Celtics e se tornaria a franquia mais vencedora da NBA. Além disso tudo, a NBA lucraria demais com mais uma final entre Lakers e Celtics, especialmente uma protagonizada por LeBron e seu antigo parceiro, Kyrie Irving.

    As narrativas e nuances presentes neste jogo de hipóteses são muitas, e é realmente animador pensar o quão motivado LeBron James deve estar para esta nova etapa. A mudança para Los Angeles não é só pela vontade da família ou oportunidades de negócios. Com o Lakers, LeBron se junta a um elenco jovem de uma franquia vencedora, sedenta por novas conquistas. Na capital do entretenimento, LeBron se torna a principal atração. Para a nossa sorte, como torcedores do Lakers, somos espectadores do palco principal. Este é o impacto da contratação de LeBron James, agente livre mais cobiçado da NBA. A nova era de grandeza do Lakers na NBA está só começando, e o futuro é muito promissor.

    Fala aí!