Espalhe!
  • facebook
  • twitter
  • whatsapp
  • Bate Papo 0
    banco_a_chave_do_sucesso Tem sido um processo doloroso para eles. Luke Walton foi tirado do time titular. Para Sasha Vujacic, qualquer erro e estava fora da quadra. Jordan Farmar, era enviado para o time da D-League. Ronny Turiaf precisou passar por uma mesa de operações com risco de vida.

    Talvez seja por isso que este é um grupo de jogadores tão efetivo quando saem do banco de reservas. Talentosos e confiantes, em suas melhores noites podem ser considerados o melhor banco de suplentes da NBA. Estes momentos dolorosos pela qual passaram juntos pode sim ser o resultado deste crescimento e união que demonstram nos jogos. Mas, todas estas questões levam em consideração o emocional do jogador. E na parte técnica? Jordan Farmar é ótimo no controle de bola. Vujacic é mestre nos arremessos de três. Turiaf tem presença no garrafão e pega rebotes e Luke Walton, faz um pouco de tudo.

    É difícil todos estarem na quadra ao mesmo tempo, mas, da forma com que vem jogando, não é nenhuma felicidade para os times adversários ver Lamar Odom, Pau Gasol, Derek Fisher ou Kobe Bryant sentados no banco para um merecido descanso. "Eles jogam extremamente bem juntos, levando-se em conta o conceito de equipe, até um pouco melhor que os titulares", disse o consultor técnico Tex Winter, idealizador do Triângulo Ofensivo. "Eles se apóiam uns nos outros de uma melhor forma. Eu acho que é isso que os tornam efetivos". Algo que muda também é a velocidade da partida. "Nós tentamos correr um pouco mais, elevar o nível defensivo", disse Turiaf. "Podemos trazer juventude, uma nova atmosfera para a quadra. Tentamos deixar uma outra impressão em relação ao time titular. Eles jogam mais no estilo cadenciado", revela Ronny. "Nós tentamos deixar o adversário cansado, conseguir alguns pontos fáceis de contra-ataque. São estilos diferentes. Penso que este é o motivo do nosso sucesso", finalizou Turiaf.

    Para Sasha Vujacic, tudo se baseia na velocidade. "Tentamos executar o triângulo de forma mais rápida, porque somos jovens, Walton é o mais velho (28 anos), então, podemos correr sem cansar", disse Sasha. Para Walton, isso é efetivo quando eles encaram o time titular adversário. "Se seus titulares ainda estão na quadra, tentamos por pressão neles, fazê-los trabalhar duro na defesa, então, quando nossos titulares voltam, os adversários estão mais cansados e perdem o ritmo no final da partida", revela Luke. Mas este é um papel novo para Walton, afinal, ele era titular há pouco tempo atrás. "Obviamente, todos na Liga querem ser titulares, mas, você também cria uma identidade com os caras que entram com você", disse Luke sobre o time reserva. "Nós desafiamos uns aos outros. Você pode sentar e ficar reclamando de não ser titular ou pode aceitar o que o técnico quer e fazer o melhor que pode", disse Walton.

    Vujacic teve seus momentos de reclamação, mas não devido à ser escalado no time titular. Na verdade, ele, por vezes, nem tinha tempo de respirar dentro da quadra e já era substituído. Muito disso era ligado ao fato de suas péssimas escolhas na hora de realizar um arremesso, em horas inoportunas, quase sempre muito cedo no cronômetro. Era só receber a bola e rapidamente acontecia um arremesso de três. "Foi difícil", disse Sasha. "Quando eu entrava, eu não sabia o quanto eu ia jogar. Então eu fazia o que qualquer um faz. Tentava ir com tudo, fazer grandes jogadas para ficar na quadra. Toda vez que você tenta forçar no jogo, coisas boas não acontecem. Quando você permite que o jogo aconteça naturalmente, é muito bom jogar", analisou ele. "Eu ia para meu quarto em campeonatos anteriores para pensar no que estava acontecendo, mas, quando você está frustrado, é difícil analisar algo, pois você vê tudo na forma negativa. Phil conversou comigo e me fez realizar que ele não me tirava logo após eu cometer um erro porque tinha raiva de mim, mas porque ele queria que eu me tornasse um melhor jogador de basquete. No final, eu entendi", revelou Vujacic. E ele entendeu mesmo. Sasha convertia 35.3% de seus arremessos de quadra, incluindo 34.3% dos três pontos nas três temporadas anteriores. Nesta, ele arremessa e converte 46.5%, incluindo 43.% de acerto nos tiros de três. Ele agora é conhecido como "A Máquina".

    No caso de Ronny Turiaf, a grande mudança não foi em seu jogo, mas sim no número de jogos e minutos que ele vem atuando. "Definitivamente é muito bom ser alguém com que se pode contar", disse ele. "Saber que as pessoas me reconhecem como jogador de basquete, não apenas como um bom companheiro de equipe. Quando olho alguns anos atrás, dois ou três, meu futuro era nebuloso, mas agora, parece muito bom", revelou Ronny.

    Um futuro que parece muito promissor é o do jovem armador Jordan Farmar, que está com médias de 9.4 pontos e 2.7 assistências em 20.8 minutos por jogo. Após ajudar a UCLA a vencer o campeonato da NCAA, muitos questionaram a decisão de Farmar de vir para a NBA, algo que, se analisarmos o primeiro ano dele, faz sentido. Após um bom começo, Jordan teve problemas no restante do campeonato. Mas, será que ele chegou a se questionar se veio muito cedo para a Liga? "Não", disse ele, categórico. "No meu caso, era uma questão de tempo. A situação não era boa para mim no ano passado. O Lakers tinha um plano diferente. Aquela foi uma boa escolha para eles no momento. Eu sabia que era capaz de jogar, então, queria estar aqui, ajudando o time, especialmente porque estávamos perdendo muito. Ao mesmo tempo, não é uma decisão minha. Eu apenas tinha que fazer meu trabalho. Por vezes, foi frustrante", disse ele, sobre tempo de jogo. "Em algumas horas, é frustrante hoje em dia. Eu era acostumado a jogar toda a partida antes de vir para cá, ficando na quadra, comentendo erros e dando a volta por cima. Sei que tenho que esperar minha vez, mas as vezes é difícil, porque queremos jogar o máximo possível, e estou sentado no banco", revelou Farmar.

    E isso não deve mudar por enquanto, afinal, Phil Jackson é conhecido por preferir jogadores mais velhos na titularidade. Mas, com estes jogadores, o futuro do Lakers está garantido, pelo menos é o que parece. E você, o que pensa disto? Comente!! GO LAKERS GO!!!

    Fala aí!

    Lakers Brasil: Desde 2006, tudo sobre o Los Angeles Lakers

    • Facebook
    • Instagram
    • Twitter