Espalhe!
  • Bate Papo 0
    O Los Angeles Lakers conseguiu encerrar bem a viagem de quatro jogos que realizou contra os melhores times da Conferência Oeste. Mesmo com os diversos problemas que afetaram a equipe, como a contusão de Pau Gasol e também um pequeno início de má fase, o time encontrou motivação, unindo garra e força de vontade para vencer o Utah em seus domínios, onde são quase imbatíveis.

    E o futuro pode reservar boas coisas para o L.A. nas próximas partidas. Pau Gasol melhorou, Andrew Bynum vem mostrando evolução e é esperado para retornar antes dos Playoff's. Dos 14 jogos que virão pela frente, 11 serão no Staples Center em Los Angeles, ou seja, o time de Phil Jackson tem uma ótima chance de se firmar no primeiro posto da Conferência Oeste, lugar que ocupa de forma isolada após a vitória de ontem contra o Jazz. Se a equipe continuar jogando da forma com que se apresentou nas últimas vitórias, e com o retorno dos machucados, ficar em primeiro no Oeste é um objetivo não tão difícil de ser alcançado. Mas, para Phil Jackson, a cautela é sempre uma aliada. "Não há nada mais fácil pela frente no nosso entendimento", disse o Mestre Zen.

    A partida de ontem mostrou que alguns jogadores realmente estão mais confiantes, como Lamar Odom por exemplo. Ele estava praticamente em todos os lugares da quadra, conseguindo ótimos números, 21 pontos, 12 rebotes e 6 assistências. O Lakers esteve bem nos arremessos de quadra, com 52.5% de aproveitamento, e também muito bem na defesa, confundindo o ataque do Utah, principalmente no 1º tempo. "Quando conseguimos impor nosso estilo, sentimos que não há jogo que não podemos ganhar", disse Lamar Odom. "Temos que continuar vencendo. Eu não acho que jogamos bem nesta viagem até hoje. Jogamos bem por um tempo em Dallas e mesmo assim conseguimos a vitória, mas, neste jogo nós atuamos bem por completo. É bom conseguir uma vitória, ainda mais com esta briga apertada no Oeste", analisou ele. Deron Williams foi um problema defensivamente, como era esperado, pois anotou 26 pontos com 12 assistências, mas, a ótima defesa praticada nos outros jogadores deixou ele como estrela solitária, já que o Jazz, como time, converteu apenas 42.2% de seus arremessos. A rivalidade entre os times esteve à todo vapor, Kobe Bryant demonstrava extrema motivação, ele revelou inclusive que o Lakers estava motivado também pela recepção nada amistosa que Derek Fisher recebeu dos fãs do Utah na última partida disputada lá. Nesta ocasião, ele também foi vaiado, assim como o time inteiro do Lakers a cada posse de bola. "Derek é o tipo de cara que não iria dizer nada, mas vou dizer por ele. Ele levou pelo lado pessoal hoje e queríamos mandar uma mensagem", disse Kobe, para depois ser mais claro. "Foi pessoal", disse Kobe. "Levamos para o lado pessoal, absolutamente", revelou Bryant.

    Tanto isto é verdade que ao final do primeiro tempo, o Lakers tinha a vantagem de 60 à 45. Apesar dos esforços do Jazz e da marcação cerrada da torcida em todo ataque do Lakers, o time da casa nunca foi capaz de ameaçar a vitória do L.A. "Eles entraram e nos massacraram logo no começo", disse o técnico do Jazz, Jerry Sloan. E no final, com jogadas decisivas criadas por Kobe Bryant, incluindo duas assistências fantásticas, uma para Luke Walton, e outra para Lamar Odom, garantiu a vitória. "Foco", disse Lamar Odom. Estávamos focados desde o início da partida. Queríamos tirar a torcida do jogo logo no começo. Eles são um bom time, e aqui é um lugar difícil de jogar. Os fãs ficam praticamente em cima de você", revelou ele. E mesmo jogando em Utah, foi possível ouvir os gritos de "MVP, MVP", incentivando Kobe Bryant, que, ao final da partida, levantou a camisa do Lakers mostrando o símbolo do time de Los Angeles para todo o ginásio. GO LAKERS GO!!

    Fala aí!