Espalhe!
  • facebook
  • twitter
  • whatsapp
  • Bate Papo 0
    conversa_com_pau_gasol O mais novo jogador de impacto do Lakers fala sobre viver em Southern California, coisas que ele gosta sobre estar em Southern, sua vida fora da quadra e muito mais.

    Lori Shepler, da equipe do LOS ANGELES TIMES, gastou alguns dias recentemente com a estrela do Lakers Pau Gasol em sua casa em Marina del Ray e em vários lugares que ele visita ao redor de lá. Fora do Staples Center e da intensa atmosfera de jogo com o Lakers, Gasol falou com Shepler sobre uma variedade de tópicos.

    Pergunta: Agora que você está se acomodando em L.A., quais são suas impressões?

    Resposta: Os fãs são definitivamente um algo a mais porque nós temos uma multidão por fora toda noite. Staples é uma construção muito especial, com um clima de celebridade, o qual é muito interessante. Sempre foi muito interessante como um visitante, mas agora, em casa, é muito bom de se ver.
    O tráfego é obviamente um contra, mas olhando para essas grandes imagens isso é apenas algo que você tem que concordar.

    P: Teve aqui alguma surpresa desde que você chegou aqui?
    R: Todas positivas. Isso tem sido ótimo, meus companheiros, ótima atmosfera, muitos talentos. Essa cidade está com o Lakers. Os fãs são realmente demais. Algo que eu aprecio.

    P: O que você faz nos seus dias de folga para se divertir?
    R: (Dando risadas) Dirijo... Fico em casa, relaxo, assisto à jogos de basquete, filmes. Eu tenho ido em alguns concertos.

    P: Quais são suas comidas favoritas?
    R: Japonesa, italiana. Não há muitos restaurantes espanhóis. Não é o mesmo que em casa, então eu procuro por outras cozinhas.

    P: E sobre a pós temporada?
    R: Eu volto para a Espanha. Me ocupo bastante. Eu gosto de viajar, ia para praia, para ilhas, apenas relaxar e ficar fora. Tentar ficar de fora de todas as loucuras. Sair com meus amigos e ter um tempo agradável.

    P: Como tem sido com seus companheiros?
    R: Tem sigo agradável. A química e os caras tem sido realmente boa. Sasha [Vujacic], eu passei bastante tempo com ele e ficamos muito amigos. Ele é como meu irmão mais novo. Ele é um bom garoto.

    P: Como você vê suas notícias sobre o Lakers ou outras notícias?
    R: Internet. Eu não assisto muitos noticiários de TV.

    P: Você assiste basquete na TV?
    R: Sim, assisto. Geralmente um pouco de análise e estudo como um profissional, e também eu gosto de assistir por diversão, É um entretenimento, uma diversão, é minha paixão, então eu não fico chateado assistindo aos jogos por algumas horas.

    P: O que te guiou para o sucesso no basquete e fez seus pais confiarem no seu sucesso. Eles te deram dicas?
    R: Eu sou um cara muito ambicioso e um grande competidor, então, eu acho que eu sou sempre muito faminto para ter sucesso e vencer. Basquetebol é uma grande paixão minha e simplesmente me trás energia de fora e alguma força rara para mim. Isso foi o que me trouxe para o local que estou hoje ? e esta ambição para se tornar ótimo, um dos melhores.
    Eles criticam um pouco algumas noites, eles sabem do que eu sou capaz de fazer. [Eles devem dizer,] "Você não teve o seu melhor jogo,''Hoje você não dominou nos rebotes' ou ' 'Por que você não chutou mais ou passou mais a bola?" Coisas como essa. Mais coisas de família, não coisas técnicas. Eu tenho talento suficiente para saber disso.

    P: Se você não fosse um jogador de basquete, o que você gostaria de ter sido?
    R: Eu fiz um ano de medicina, então eu estava indo para as coisas de médico. Minha mãe é médica e meu pai é enfermeiro. Isso está na família. Eu tenho sempre sido muito identificado coma medicina e a ciência. Isso volta para 15 anos atrás. Se você me perguntasse o que eu gostaria de me tornar, eu teria respondido um cientista. Que tipo de cientista? Eu queria investigar e descobrir remédios para todas as grandes doenças que nos afeta. Então, era isso que eu queria fazer. Mas eu não poderia permanecer com isso. Eu tive que escolher entre o basquete e a medicina. Escolhi o basquete.

    P: Você olha para mais alguém ou alguém te inspira?
    R: Meu ídolo e ícone é Michael Jordan. Esse é o tipo de cara que eu olho e admiro muito. Esse é o tipo de cara que me inspira. Eu joguei contra ele algumas vezes nos últimos anos dele.

    P: Alguma coisa te deixa mal ou te segura na noite?
    R: Sim, certos problemas ou certas doenças que você tem que aceitar e conviver em sua vida te deixam fora. Estar cansado me coloca na cama realmente muito rápido.

    P: Você disse que você limpa sua mente de preocupações. Isso significa que você faz meditação?
    R: Apenas tento deixar de fora, tento relaxar minha mente, leio. Deixo minha cabeça ocupada com outras coisas. Geralmente minha vida me ajuda em me manter ocupado. Me deixa fora de certos problemas que me preocupariam se eu tivesse mais tempo livre.

    P: Como você se desliga depois dos jogos?
    R: Vou jantar. Geralmente estou muito cansado, mas eu gosto de sair para jantar. Depende se eu tenho o dia livre ou não no dia seguinte. Eu tento acordar um pouco mais tarde ou tento ir para casa e ficar de folga. Quase sempre demora algum tempo para eu dormir depois dos jogos por causa da adrenalina e da emoção que eu coloquei no jogo.

    P: E quanto a sua barba?
    R: Esse é o meu tipo de visual. Esse é o modo que me sinto confortável e o modo que tem sido nos últimos três anos ou mais. Meu primeiro ano foi totalmente fora de controle, eu apenas deixei crescer. 'Caveman," 'Grizzly,' eu ouvi diferentes comentários. É, isso estava fora de controle, então eu decidi deixar do jeito que está hoje.

    P: Você consegue se ver como um Laker para o resto da carreira?
    R: Eu amaria. Nesse negócio, você não pode ficar muito confortável. Qualquer dia, qualer hora sua situação pode mudar. Você sabes que eu amaria. Estou aqui e espero ficar aqui por muito tempo. Porque isso significaria que as coisas estão funcionando para mim e para eles.

    P: Muitos fãs dizem que parece que você nasceu para jogar no triângulo ofensivo. Isso é fruto de muito trabalho, é natural ou um pouco dos dois?
    R: Bom, o triângulo ofensivo é muito de ter um bom QI de basquete e entender o que fazer na quadra usando certos fundamentos, a habilidade para se mover com e sem a bola, a habilidade para passar e fazer as decisões corretas. Habitualmente, eu sou esse tipo de jogador e eu tenho sido este tipo de jogador em toda minha carreira. Isso funcionou perfeitamente para minhas habilidades.

    P: Você acha que você irá vencer tudo e que este time tem o potencial para se tornar uma dinastia?
    R: Temos uma boa chance de vencer. Temos realmente um grande time. Mesmo que tenhamos alguns jogadores machucados, especialmente Andrew [Bynum], que tem muito potencial, e nós somos ainda assim um grande time. Isso é muito prometedor e isso nos encoraja e nos excita para fazer parte disso. Eu acho que temos uma chance e temos potencial para sermos campeões. Esse é o primeiro passo, e depois podemos falar sobre outras coisas. Mas uma vez que estamos focados em agora e na excelente oportunidade, nos temos que esperar por algo bom.

    P: Muitas garotas estão perguntando se você está solteiro. Você deseja esclarecer esta situação?
    R: [Rindo] Ah, estou solteiro. Não estou em nenhum relacionamento sério.

    Fala aí!