Espalhe!
  • facebook
  • twitter
  • whatsapp
  • Bate Papo 0
    kobe_bryant_o_comprometimento_de_um_astro O ano de 2008 está chegando ao fim, com 2009 estar a menos de um dia. Fica aqui nossos sinceros votos de um FELIZ ANO NOVO a todos que aqui nos prestigiam com suas visitas diariamente. Fica aqui também a satisfação de todos nós, da equipe LAKERSBRASIL.com por completar mais um ano de vida, superando todas as adversidades e com a consciência de estar realizando um bom trabalho. 2009 está por vir e com ele, muito brevemente, teremos grandes novidades aqui no site. Esperamos continuar contando com a visita e o apoio de todos vocês, pois é isso, com a mais absoluta certeza, que nos mantém vivos. Essa é provavelmente nossa última matéria do ano, sei que é um tanto quanto longa, mas com certeza é uma leitura que valerá a pena. Obrigado a todos e, novamente, FELIZ 2009 a todos!

    Existem poucas coisas mais importante para Kobe Bryant antes de um jogo do que seu DVD player portátil. Não importa onde ele vá antes de a bola subir para o jogo.

    Bryant, 10 vezes presente no All-Star Game, costuma assistir videoclipes dos jogadores que irá marcar. Isso é parte de um comprometimento de longo tempo para estudar vídeos, um dos fundamentos de uma carreira que tem sido muito forte na sua 13ª temporada.

    O Lakers sempre teve suas estrelas nas últimas décadas -- Magic Johnson, Kareem Abdul-Jabbar, Jerry West, Shaquille O'Neal -- mas poucos estudavam jogos mais compenetradamente do que Bryant que procura sempre pela maior vantagem sobre o oponente.

    "Certamente, ele é quem mais assiste vídeos que nós já tivemos," disse Chris Bodaken, diretor do serviço de vídeo do Lakers. "Eu não sei se é possível ser mais competitivo do que Magic Johnson era, mas eu acho que ele deve ser. Isso vai até a sua preparação, e certamente faz parte dela."

    Bodaken, de 40 anos, começou a trabalhar na edição de vídeos do Lakers em 1989 como um simples funcionário e é agora um dos dois funcionários da equipe que trabalham em período integral, usando 8 gravadoras de vídeo digital, 5 laptops e 18 gravadoras de DVD para gravar, editar e copiar lances de jogos para os técnicos e jogadores do Lakers.

    Os times da NBA trabalham muito com vídeos, o que faz parte de um trabalho para manter o time competitivo na era digital. A equipe de vídeo do Lakers tem estado mais ocupada do que nunca nessa temporada porquê Kobe Bryant, de 30 anos, tem feito seus pedidos depois de ter ganhado seu primeiro prêmio de MVP na última temporada.

    Bryant antigamente estudava clipes de jogos inteiros, assistindo-os em sua casa ou a caminho para os jogos. Agora, sua rotina antes do jogo inclui também clipes individuais dos jogadores que ele for marcar.

    Companheiro de trabalho de Bodaken, Patrick O'Keefe, de 28 anos, está no processo de compilar as montagens dos vídeos para Bryant.

    Após conversar com Bryant, O'Keefe costuma demorar um pouco mais que uma hora para selecionar as jogadas dos últimos jogos do oponente e achar as jogadas chaves dos jogadores que serão marcados pro Bryant, conferindo a ele um trabalho que vai de 8 a 12 minutos com lances de jogo.

    A meta para Kobe é tentar captar as tendências dos jogadores rivais. Teriam eles adicionado movimentos novos a seus jogos? Tem eles partido agressivamente para a cesta ou eles estão mais acomodados em arremessar de longas distâncias?

    Antes dos jogos, Bryant vai para um compartimento onde pode colocar seus fones de ouvido. Então ele liga seu DVD e tenta encontrar as zonas em que seus adversários se sentem mais confortáveis.

    Para o jogo no Natal contra o Boston, ele recebeu uma edição de 12 minutos com lances de Paul Pierce, Rajon Rondo e Ray Allen. Menos de 48 horas depois, lá estava ele com outra edição de 11 minutos de três jogadores do Golden State: Stephen Jackson, Kelenna Azubuike e Marco Belinelli.

    "Isso é uma receita," disse Bryant, 8 vezes membro do time dos melhores defensores da NBA. "Assim, se acontece alguma coisa, não é algo que você nunca viu antes. Todos tem suas tendências. Se ele anota 40 pontos na segunda, ele tentará fazer isso na terça também. Você tem que tentar afastá-lo de sua zona de conforto. Essa é a chave."

    Bryant tem estudado tiragens de basquete desde que tinha 6 anos de idade na Itália, onde seu pai, Joe "Jellybean" Bryant, jogou como profissional após oito anos de carreira na NBA.

    O avô de Bryant costumava enviar para a Itália fitas com jogos da NBA, e então, Bryant costumava assisti-los. Jogos da NBA não eram televisionados para a Europa naquele tempo, então, Bryant dependia dessas fitas para tentar imitar os profissionais americanos.

    "Quando eu via um movimento diferenciado, eu podia voltar a fita e assistir novamente e então aprender com ele," disse Bryant. "Comecei realmente cedo."

    Isso continuou quando ele jogava no colegial pelo time de Lower Merion, depois de sua família ter se mudado para a Philadelphia. Bryant disse que seu técnico no colegial, Gregg Downer, era um grande fã desses vídeos.

    "Ele tinha todo mundo assistindo fitas de jogos mesmo antes que elas se tornassem populares," disse Bryant. "Ele costumava pegar os dados dos adversários, pegar fitas com vídeos dos adversários e nós assistíamos a elas."

    Bryant se formou no colegial em 1996 e então jogou seu primeiro jogo de NBA quanto tinha apenas 18 anos, onde sua fascinação por filmes continuou.

    Ele pediu para a coordenação de vídeos do Lakers por fitas de jogadores dos anos 80 e início dos anos 90, incluindo vídeos de Michael Jordan, do Chicago Bulls.

    Quando o Lakers contratou Phil Jackson, em 1999, Bryant foi informado que seu novo técnico algumas vezes pedia edições com algumas palavras aleatórias entre as tiragens para a coordenação de videos para que todo o time pudesse assistir antes de praticar. Jackson iria então perguntar para um jogador em particular para dizer qual palavra apareceu na tela, como se fosse um jogo tipo "quiz" para atletas multi-milionários.

    "Eu me lembro que uma vez foi para Kobe Bryant e ele rapidamente falou a palavra," disse Bodaken. "O conceito de não assistir algo em um filme era desconhecido para ele."

    O Lakers originalmente começou a usar tiragens de jogos para o time de análises no começo dos anos de 1960, de acordo com Bill Bertka, funcionário do time a muito tempo. As seções, no entanto, eram curtas, por volta de 5 ou 6 minutos.

    Bodaken e O'Keefe cultivam seus vídeos através de um vasto menu disponibilizado pela NBA, de onde o Lakers pode fazer o download de qualquer jogo. Então, a equipe de vídeo irá programar os jogos para que eles possam ser entregues à comissão técnica.

    Na noite de segunda-feira, eles gravaram Denver vs. Atlanta, Orlando-Detroit, Chicago-New Jersey, Memphis-Minnesota, Phoenix-Oklahoma City, Washington-Houston, Philadelphia-Utah, e Toronto-Golden State.

    Bodaken, que também faz as estatísticas para o Lakers e que passou uma temporada como assistente técnico. O'Keefe é um antigo estudante de gerência para o time de basquete masculino da Universidade de Indiana. O espaço de trabalho deles é grande o suficiente para acomodar duas mesas e três racks para os equipamentos de gravação. A sala fica perto do escritório de Phil Jackson, permitindo para fáceis acessos caso ele tenha algum pedido de vídeo particular.

    Quando o Lakers está viajando, ou O'Keefe ou Bodaken viajam junto com o time.

    Quando o Lakers está em casa, a equipe de vídeo costuma chegar antes das 7 horas da manha. As manhas são fundamentais porquê os vídeos devem estar prontos antes dos treinamentos começarem, o que ocorre por volta das 10 horas da manha. DVDs dos próximos adversários do time também devem estar prontos para os técnicos, de modo que o plano de jogo possa ser formulado.

    Dias de jogos são particularmente longos. Bodaken e O'Keefe ficam no Staples Center até 11 horas da noite, esperando uma definição dos técnicos do que deverá ser preparado para o próximo dia. Antes de a bola subir para o jogo, os vídeos mais recentes dos oponentes estão sempre sendo mostrados em uma grande TV localizada nos vestiários, já que os jogadores chegam sempre por volta de 90 minutos antes do jogo iniciar. Poucos deles assistem a eles, preferindo ir arremessar na quadra ou simplesmente ficar relaxando.



    Bryant, no entanto, está sempre na sala assistindo seus DVDs enquanto seus tornozelos são tapados.

    O'Keefe diz: "É como um estudante A, que sempre está disposto a novas seções de estudo."

    Fala aí!