Espalhe!
  • Bate Papo 0
    Renato Campos

    18 de Janeiro de 2019 por Renato Campos

    No próximo dia 7 de fevereiro, termina o prazo de trocas da atual temporada da NBA. Para se tornar um time mais forte, o Lakers pode ainda fazer algumas modificações com peças já existentes no elenco para montar um cenário mais favorável ainda para os playoffs deste ano. 

    Com o assunto em pauta, alguns de nossos colunistas deram a sua opinião ao serem perguntados quais três jogadores do atual elenco, poderiam ser boa moeda de troca para reforçar o time. Dá uma lida no que cada um deles opiniou.

    Ricardo Romanelli

    Kentavious Caldwell-Pope, pelo contrato expirante, é a primeira opção óbvia. Apesar do rendimento razoável, KCP é um jogador dispensável e certamente o Lakers conseguiria um jogador interessante por ele. Depois, trocar Lance Stephenson seria adição por subtração: o simples fato dele não estar mais no time reforçaria o elenco. Por fim, caso um bom jogador que complemente melhor o jogo de LeBron James apareça disponível, o Lakers deveria envolver Brandon Ingram no negócio. O jovem ala pode se tornar um excelente jogador no futuro, mas sua evolução vem abaixo do ritmo que o Lakers precisa para competir por um título antes que LeBron experimente seu inevitável declínio, fazendo dele um sacrifício válido caso melhore as chances do time no curto prazo.

    Guilherme Borges

    Em primeiro lugar, é bom estabelecer: independente de quem o Lakers trocar a diretoria o essencial é manter a flexibilidade no cap. Claro, se tivermos uma chance de conseguir mais uma estrela esse princípio pode ser relativizado. Dito isso, começaria trocando Kentavious Caldwell-Pope. O veterano é um bom jogador e pode ser peça útil para muitos times que buscam melhora, por isso, teria valor. Além disso, seu contrato expirante de 15 milhões de dólares é um valor que permite o Lakers entrar em negócios maiores. Ou seja, a troca dele é boa para quem leva e boa para quem o deixa ir.

    O segundo nome na minha lista de trocas seria Brandon Ingram. O ala não tem encaixe com nossa estrela, LeBron James, e está muito aquém do que se esperava dele. Para boa parte da liga, o garoto ainda tem potencial mas está sendo mal utilizado, o que faz com que ele possa ser uma moeda valiosa para conseguir uma estrela. Trocá-lo por alguém que pode ser utilizado agora é um risco que o Lakers tem que correr tendo na sua folha salarial um LeBron James com 34 anos de idade.

    Por fim, boto minha cara à tapa para dizer que trocaria Lonzo Ball. Não me levem a mal, acho que o garoto é um jogador sensacional. Ele é um absurdo defensivo e joga do jeito certo. Contudo, com LeBron e Rajon Rondo, a armação do time está em boas mãos. Manter Lonzo no elenco por ser um bom defensor é preciosismo. Nossa experiência em desenvolver garotos, que começou com Julius Randle e D'Angelo Russell, não tem sido boa. Lonzo é uma pick 2 e ele pode ter muito mais valor como moeda de troca do que como peça de composição do elenco. Eu exploraria o mercado para ele enquanto está aquecido e fugiria de uma desvalorização.

    Sérgio Segundo

    Por termos um núcleo jovem e também apostado na reconstrução com base nos drafts, bastantes torcedores ainda se encontram esperançosos e pacientes com a evolução dos garotos. Porém, LeBron James se juntando ao time marca a vinda não de uma estrela jovem, mas sim de um veterano com idade avançada, e é dessa forma que algumas peças da equipe poderiam ser trocadas pelo não tão bom encaixe no estilo de jogo do time atual e por ainda terem um valor de troca considerável, o que seriam os casos de Brandon Ingram - que não teve o upgrade desejado para essa temporada - e de Josh Hart, que se valorizou durante a Summer League e, apesar de compor o elenco com certa relevância, pertence a uma posição com vários concorrentes e não tem tido boas atuações. Por fim, Kentavious Caldwell-Pope, sendo expirante e com salário considerável, pode se adequar num bom pacote que o Los Angeles Lakers teria a oferecer a outra franquia, sendo assim, dispensável a negociação de Hart, por também ser um ala-armador como KCP.

    Rodrigo Medeiros

    Considerando a situação atual do time, hoje tentaria trocar Kentavious Caldwell-Pope, pois tem um contrato expirante, o que é um atrativo no mercado. Acho que dificilmente conseguiria alguém bom apenas pelo KCP. Dessa maneira, dependendo do jogador a ser trocado, envolveria algum dos jovens Brandon Ingram e/ou Lonzo Ball.

    Brandon Ingram não apresentou ainda o que se espera dele (e pode nem vir a apresentar isso). Não se firmou como um scorer, bom defensor e nem bom arremessador. Como ainda tem valor de mercado, tentaria envolve-lo em alguma troca em busca de qualificar o elenco e montar um time competitivo enquanto temos Lebron James na equipe.

    Outro jovem que envolveria em uma troca é Lonzo Ball. Conhecido pela sua defesa, pode ser um atrativo para outros clubes. Para a armação, prefiro apostar em Rajon Rondo ou até mesmo na próxima FA pensar em outro armador mais experiente e já pronto. Lonzo ainda tem valor de mercado, mas sua baixa produção ofensiva pode dificultar as trocas, além do falastrão Lavar Ball. Até o momento, considero que Lonzo teve muita mídia e pouco basquete apresentado.

    Uma troca envolvendo os três atletas seria interessante para o time Angelino e iria ver o valor de mercado dos jogadores acima listados. Temos que pensar no agora, pois temos Lebron james (que já está com 34 anos) e estaremos com CAP para mais um All Star na próxima temporada.

    Lucas Fuson

    Para mim ninguém é intocável. Ao trazer LeBron James para o Lakers uma coisa ficou clara: não estamos em processo de desenvolvimento, o foco é o título, ponto final. Com isso é necessário fazer o que for para alcançar. Pra mim já deu tempo do Ingram mostrar o que pode e parece que sua evolução pode ser mais devagar do que pensávamos. Pode acontecer de ele ir pra outro time e estourar? Pode, mas no cenário atual não consigo ver isso. Lonzo também não me parece assim tão dedicado a evolução, se assim fosse, ao menos acertaria lances livres, que é o básico do básico. Hart tem potencial e ao meu ver é o que tem mais vontade de melhorar, mas isso o torna as vezes afobado. Kuzma seria a minha ultima opção de troca, aparentemente é o mais dedicado e o que mais valorizou a oportunidade de jogar ao lado de LeBron. O fato é que não temo muito tempo, temos LeBron com seus 34 anos, da sua capacidade em quadra e fora dela ninguém duvida, mas é preciso pensar se o seu corpo continuará acompanhando.

    Rennan Vieira

    Kentavious Caldwell-Pope parece ser a escolha óbvia para uma eventual troca, algo que foi evidenciado quando o Lakers ofereceu o jogador em uma troca pelo Trevor Ariza. O seu contrato expirante e seu jogo de perímetro pode ser atrativo para algumas franquias.

    O desenvolvimento dos garotos ficou em segundo plano com a contratação de LeBron James. E com a necessidade de jogadores de impacto imediato, Lakers pode ter que se desfazer de alguns dos garotos, o primeiro da minha lista seria o Brandon Ingram. O ala nunca desenvolveu uma boa química com o astro LeBron James e teve praticamente uma regressão nessa temporada. Com o intuito da diretoria de trazer outra estrela durante o período de contratações, fica mais difícil projetar o Ingram tendo um impacto nesse time com sua capacidade limitada de pontuar principalmente no perímetro.

    Por último, Stephenson e Beasley combinam para aproximadamente $8 milhões na folha salarial. Os dois devem perder espaço com a volta dos lesionados LeBron James e Rajon Rondo, portanto seria interessante para o Lakers colocá-los em uma negociação. Lonzo Ball poderia ser um candidato, mas os problemas físicos do veterano Rajon Rondo que vai completar 33 anos no próximo mês deve reservar a franquia de trocar o armador no momento.

    Felipe Valente Bettega

    Kentavious Caldwell-Pope seria a minha primeira opção. Teve seus momentos na temporada passada, mas é apenas um tapa-buraco. Seu aproveitamento de arremessos decaiu, assim como seus minutos de jogo. Suas médias poderiam ser substituídas por qualquer jogador comum na Liga. Assim, sua maior contribuição seria podermos colocar os 15 milhões de dólares expirantes de seu contrato em um pacote por um jogador All-Star. Pacote esse que incluiria Brandon Ingram. 

    Eu mesmo disse que o problema do jovem não era a falta de talento e sim o encaixe com LeBron James. Muito bem, se esse é o caso, vamos dar uma olhada em suas médias nos últimos dez jogos (com o Rei fora por lesão): 18.7 pontos, 6.6 rebotes, 3.4 assistências, 0.5 roubo, 0.8 toco, 3.1 desperdícios de bola. Quanto às suas porcentagens: 46% (73-158 arremessos de quadra), 31% (5-16 bolas de 3 pontos), 59% (36-61 lances livres). Considerando que esse deveria ser o momento em que ele assumiria a liderança do time, confesso que foi decepcionante. Afinal, eu esperava mais de alguém que seria o jogador intocável da franquia. 

    As estatísticas nesse período são semelhantes às de sua temporada regular e mostram a concretização de nossos medos. Ingram pontua bem apenas próximo à cesta e consegue rebotes graças à sua envergadura. No mais, ele não defende bem e gera assistências tanto quanto desperdícios de bola. Seu aproveitamento de bolas de 3 pontos não condiz com o esquema tático do time. E seu aproveitamento de lances livres é pífio. Esses dois jogadores formariam um pacote atraente: um contrato amigável e um potencial adormecido. Para finalizar, eu acrescentaria Josh Hart. Não me entenda mal, eu sou fã do jogador e tenho certeza de que muitos times gostariam de tê-lo. Por isso mesmo ele seria o laço perfeito para fechar o pacote e nos ajudar a conseguir um All-Star.

    Qual sua opinião? Conte pra gente!

    Fala aí!