Espalhe!
  • Bate Papo 0
    Rodrigo Medeiros

    27 de Abril de 2020 por Rodrigo Medeiros

    O dia 22 de janeiro de 2006 entrou para a história da equipe do Los Angeles Lakers e do astro Kobe Bryant. O time Angelino recebeu o Toronto Raptors no Staples Center e venceu a partida por 122x104. E o motivo da partida ter entrado para a história foi Kobe Bryant.

    O astro Kobe Bryant anotou incríveis 81 pontos e se tornou o segundo jogador a marcar mais pontos em uma partida, atrás apenas de Wilt Chamberlain, que anotou 100 pontos em 1962.

    Pelo Lakers, atuaram os seguintes jogadores: Lamar Odom (8 pontos), Kobe Bryant (81 pontos), Smush Parker (13 pontos), Kwame Brown (3 pontos), Chris Mihm (12 pontos), Devean George (0 ponto), Luke Walton (0 ponto), Sasha Vujacic (3 pontos), Brian Cook (2 pontos) e Devin Green (0 ponto).

    Pelo lado do time Canadense, atuaram: Jalen Rosen (17 pontos), Chris Bosh (18 pontos), Mike James (26 pontos), Morris Peterson (7 pontos), Matt Bonner (12 pontos), Charlie Villanueva (13 pontos), Joey Graham (3 pontos), José Calderón (4 pontos), Pape Sow (4 pontos) e Eric Williams (0 ponto).

    O astro Angelino atuou por 41 minutos e 56 segundos e tentou 46 arremessos, convertendo 28. Converteu ainda 7 arremessos de 13 tentados das bolas de três pontos. E anotou 18 de 20 lances livres. Foi uma atuação para entrar para a história. O time visitante liderou a maior parte do jogo, porém Kobe Bryant estava imparável e liderou o time da casa para virar o jogo já no final do terceiro período.

    Logo no início Kobe deu mostras de que estava “on fire”, anotando 14 pontos no primeiro período. No segundo período anotou 12 pontos em 6 minutos jogados. Na volta do intervalo, foram 27 pontos com 73.3% de aproveitamento nos arremessos. E para fechar com chave de ouro, anotou 28 pontos no último período, liderando a equipe para vencer a partida e marcar seu nome ainda mais na história da NBA.

    A confiança de Kobe durante a partida, aliada a confiança com que seus companheiros lhe passavam a bola para que decidisse a jogada, é outro ponto a ser destacado. Era nítido que os colegas de equipe o procuravam, pois sabiam que Kobe iria decidir. E como decidiu.

    A reação da torcida no ginásio a cada cesta convertida, a vibração dos narradores, a reação dos companheiros de Lakers e comissão técnica, mostraram o tamanho do feito de Kobe Bryant. Os jornalistas/repórteres que cobriram o jogo estavam eufóricos por presenciarem essa partida histórica. Essas reações deram mostras do quão grande foi o feito de Kobe Bryant. Uma marca que até hoje não foi batida.

    Reação de alguns jogadores sobre o grande feito de Kobe Bryant:

    “Eu nunca vou esquecer isso. Eu era jogador do Hornets e tínhamos acabado de chegar no hotel em Sacramento. Não me lembro se foi o Chris Paul que me chamou ou outro jogador que disse que o Kobe tinha 60 pontos no jogo. Então, nós nos reunimos no quarto do Chris Paul para o ver o final do jogo. Cara, foi louco. Eu nunca vou esquecer isso." - Brandon Bass.


    “Eu estava em minha casa, se me lembro bem. Acho que estava passando na Fox Sports West ou algum canal similar. Eu sabia que era muitos pontos, mas não tinha a idéia exata do impacto que isso tinha ou o quanto esses pontos significavam. Mas hoje, após jogar meia temporada na NBA, eu sei que 81 pontos é muito mais que especial.” - Anthony Brown.


    “Eu estava no colégio Alguém me chamou e me contou que Kobe tinha 70 pontos no terceiro período. Então entrei no meu dormitório e liguei a televisão para ver o resto do jogo. Eu ficava pensando: eu vou jogar na NBA no próximo ano. Será que posso fazer algo assim?" - Rudy Gay.


    “Eu estava pensando que, como treinador, eu iria falar pra fazer falta nele. Eu nunca iria deixar ele fazer tantos pontos. Fazer marcação tripla ou algo do tipo. Eu não me lembro especificamente do jogo, mas usamos uma estratégia com o Kobe, deixando arremessa-lo todos os arremessos. É mais fácil parar todo mundo do que o Kobe, então tem que deixa-lo o menos eficiente possível. Mas se ele chegar nos 30 pontos, 40, 45, tem que ter um número, aí você precisa abandonar a estratégia”. - George Karl.

    Fala aí!