Espalhe!
  • Bate Papo 0
    Guilherme Borges

    13 de Maio de 2020 por Guilherme Borges

    Esse é o primeiro capítulo de uma série de textos que irá destrinchar as carreiras por trás dos números pendurados no teto do Staples Center. Ao invés da ordem cronológica de jogadores, vamos seguir aqui uma ordem estritamente numérica, ou seja, vamos na ordem crescente dos números nas camisas: primeiro a 8 (24), depois 13, 22, 25, 32 e assim por diante.

    Bom, o dono da camisa 8 - que também é o dono da camisa 24 - todos conhecem bem: o sr. Kobe Bean Bryant. Sim, ele ainda é o dono porque, uma vez dono de um número aposentado na NBA, pra sempre dono.

    A carreira de Kobe dispensa apresentações. Os números, as conquistas, os recordes, as performances, a despedida. Se você gosta um pouco de NBA, é certo que, pelo menos, já ouviu falar de tudo que a lenda alcançou. É claro que, como um bom texto da carreira do Kobe, esses números e conquistas serão explorados aqui também, contudo, isso vai ser só uma pequena parte do nosso bate papo. Um jogador que teve não só um, mas dois, números aposentados em uma das maiores (se não a maior) franquia da NBA precisa ser olhado com um carinho especial. E é justamente isso que faremos daqui pra frente.

    Números e Conquistas

    Comunidade de startups de Los Angeles lamenta morte de Kobe Bryant

    Na minha opinião, não são os números que fazem Kobe ser grande. É ao contrário. O fato de Kobe ser o jogador que era é que fez com que ele colocasse números tão incríveis para a liga e para a história do Lakers.

    "Tá, mas quão grande é o currículo desse cara?" você pode perguntar. Tudo bem, se você nunca teve a curiosidade de buscar, nós trouxemos pra você. Uma dica: não segure seu fôlego ao ler porque a lista é bem grande e ficar sem ar muito tempo pode prejudicar a sua saúde. Bom, vamos lá: Kobe Bryant jogou 20 temporadas na NBA. Foram 1.346 jogos de temporada regular (dos quais em 1.198 ele começou jogando). Desses 20 anos de carreira, ele foi all-star em 18 (ficando atrás apenas de Kareen Abdul-Jabar no quesito) sendo que nenhum outro jogador tem mais "MVPs" do Jgo das Estrelas do que ele (são 4 ao todo. Bob Petit também tem esse número). Vale mencionar aqui que, após sua morte, em sua homenagem, o prêmio de MVP do Jogo das Estrelas foi nomeado "Prêmio Kobe Bryant de melhor jogador". A lenda ainda acumula 5 campeonatos, 15 nomeações ao "All-NBA Team" - uma espécie de seleção da liga - 12 nomeações à seleção defensiva da liga; um prêmio de melhor jogador em 2008; dois prêmios de melhor jogador nas finais; dois prêmios de "cestinha" da temporada; quarto na lista de maior pontuador na temporada regular (33.643 pontos).

    Mas, isso é chover no molhado. Vocês querem os números e conquistas realmente especiais? Aqueles que vocês não vão achar na wikipedia? Então tá, respirem mais uma vez e vamos:

    • Nenhum outro jogador, em nenhuma liga profissional, jogou tanto tempo em Los Angeles quanto Kobe Bryant;

    • Seus 20 anos com o Lakers ficam apenas atrás das 21 temporadas de Dirk Nowitzki com o Dallas Mavericks (aqui vale pontuar que Kobe ja tentou recrutar Dirk para o Lakers, mas isso é papo para outro texto) em quantidade de temporadas que um jogador passou com um time;

    • Kobe foi o primeiro, ala-armador que jogou 20 anos na NBA (Vince Carter quebrou seu recorde, com 21);

    • Ele é o único jogador da história da liga com dois números aposentados;

    • As 15 escolhas para "seleção da liga" o deixam empatado em primeiro lugar com outros grandes jogadores que foram 15 vezes selecionados (Kareem Abdul-Jabar, Tim Duncan e LeBron James). Dessa lista, três jogadores vestiram Roxo e Dourado;

    • Ele está empatado em primeiro com Kevin Garnett como jogador que apareceu mais vezes na primeira seleção de melhores defensores (nove vezes);

    • Kobe marcou 40 ou mais pontos em 122 oportunidades, atrás apenas de Wilt Chamberlain e Michael Jordan;

    • Kobe marcou 50 ou mais pontos em 25 jogos, também terceiro atrás dos mesmos jogadores de antes;

    • Kobe marcou 60 ou mais pontos seis vezes, a segunda maior marca da liga, apenas atrás de Chamberlain;

    • Ajustado por era, a dupla Bryant-O'Neal foi a que MAIS PONTUOU EM UMA TEMPORADA, na história da liga em 2000-01;

    • Nenhum time depois do Lakers de Shaq e Kobe ganharam 3 títulos seguidos. Não. Nem o todo poderoso Warriors. Nem o Heat;

    • Kobe é o quarto colocado em total de minutos jogados (temporada regular e pós temporada - 57.278 minutos) e também o quarto colocado em total de pontos (temporada regular e pós-temporada). Em ambos os quesitos, Kobe está atrás apenas de Kareem, Karl Malone e LeBron;

    • Kobe fez 81 pontos em um jogo (segunda maior marca da liga) e 60 pontos em sua despedida;

    • Kobe é o terceiro colocado nas seguintes estatísticas de playoffs: minutos, arremessos convertidos e tentados e pontos. Ele fica atrás apenas de Michael e LeBron nessas categorias (sendo que LeBron jogou, até agora, 19 jogos de playoffs a mais que Kobe, apesar de ter um aproveitamento pior que Bryant);

    E agora, é o suficiente? Pra quem não o conhecia: prazer, Kobe Bean Bryant. Não, não é a toa que muitos o colocam entre os melhores jogadores da história. Seus números, contudo, são apenas parte do seu legado. Sua mentalidade e perfil na verdade foram o que fizeram dele um grande jogador.

    A personalidade de Kobe: seu diferencial

    Nike Mamba Focus AJ5899-002 Release Info | SneakerNews.com

    Sim, a personalidade e a mentalidade do Kobe foram o que o fizeram ser colocado no patamar em que está hoje. Amostra de sua personalidade é o seu apelido: Black Mamba (Mamba Negra): uma das cobras mais mortais do mundo. Não só o apelido mostra sua personalidade como também o fato dele próprio ter se auto-intitulado dessa forma e as pessoas terem aceitado isso.

    Brincadeiras a parte, a mentalidade de Kobe foi o "fator diferencial" que o fez conhecido ao redor da liga. Não fosse isso, ele seria mais uma estrela com muitos números e campeonatos. Mas ele é muito mais. Com sua vida no basquete, Bryant comprovou que a dedicação e a capacidade de dar o máximo sem medo de se frustar podem levar qualquer pessoa a qualquer lugar. Kobe passava horas treinando. Horas estudando os adversários. Horas vendo jogos. Horas lendo. Horas analisando. Horas se dedicando de corpo e alma para o jogo que ele amou (e que o amou de volta).

    Exemplos de sua dedicação? Kobe treinava (pelo menos) três vezes por dia: das 5 às 7, das 11 até às 14, das 18 às 20 e, muitas vezes, das 22 às 24 depois de colocar suas filhas na cama. Kobe treinava antes e depois de jogos também. Quem nunca viu a foto do jovem Bryant com a roupa de treino por cima do pijama e com o braço engessado arremessando? O astro, depois de machucar feio seu tornozelo no jogo dois das finais de 2000 - e voltar para liderar o time no jogo 4 - decidiu fortalecer a região e fazer aulas de sapateado. Isso, sapateado. Em seu livro, "Mamba Mentality", Kobe conta que as aulas melhoraram sua força no tornozelo e sua velocidade nos pés e seu ritmo; Kobe fraturou seu dedo indicador - o que direciona o arremesso - em meio a temporada 2009 e continuou jogando com ele assim durante o restante da temporada. Quando Garry Vitti tentou fazer com que ele parasse de jogar na temporada para cuidar de seu dedo, Kobe respondeu: "vai piorar? Não, então, só enfaixa que eu lido com a dor e jogo". O Lakers foi campeão naquele ano; Kobe leu o livro dos árbitros para saber onde eles estariam na quadra em cada situação de jogo para, assim, poder se safar de "empurrões" e "puxões" que os juízes não viam. São inúmeros exemplos, inúmeras histórias que mostram a dedicação e a obsessão de Kobe Bryant com sua melhora no jogo. Como ele mesmo diz: "a beleza da caminhada não está em alcançar o alvo. Está no processo para chegar lá. Na caminhada em si"

    Mas a obsessão pela melhora era só uma faceta da "Mentalidade Mamba". A outra era seu estilo matador. Kobe, assim como Michael, não queria ganhar dos adversários. Kobe queria destruí-los. No documentário "The Last Dance" da ESPN, que conta a história de Michael Jordan, foi gravada uma cena do astro do Bulls um pouco antes do primeiro jogo das estrelas onde Kobe o enfrentou, falando: "aquele garoto de Los Angeles vai querer tirar um contra um com todos nós. Essa é a mentalidade dele. E se ele quer isso, ele vai conseguir". Nisso, Kobe e Jordan eram - e esse é um dos fatores pelos quais as pessoas consideram Bryant como o jogador mais parecido com Jordan que já se viu - idênticos. Foi por ter essa mentalidade que, em 2008, mesmo com uma seleção Olímpica recheada de craques, como LeBron e Wade, Kobe foi considerado o "Alfa entre os Alfas" (assim como Michael também foi considerado dessa forma no "Dream Team" de 1992). Aliás, foi por isso que, das mãos dele é que saíram os arremessos que garantiram a vitória dos Estados Unidos sobre a Espanha na final olímpica.

    Kobe Bryant credited with reshaping culture of USA Basketball ...

    Aliás, esse confronto EUA x Espanha, na minha opinião, resume essa faceta assassina da "Mentalidade mamba". No primeiro jogo entre as duas seleções, Kobe Bryant simplesmente arremessou Pau Gasol, seu companheiro de time na época mas adversário de seleção, no chão, cometendo, propositalmente, uma falta flagrante no espanhol. Comentando o lance, LeBron James observou: "quando eu vi isso, pensei: ok, esse cara está em outro nível. Eu amei. Quero dizer, Gasol não era meu companheiro de time, mas isso me mostrou que Kobe faria tudo para vencer, independente de quem fosse seu adversário".

    Na volta para o Lakers, Kobe, no primeiro dia de pré temporada, deixou sua medalha de ouro pendurada no vestiário de Gasol para que o espanhol, assim que chegasse ao vestiário, se lembrasse da dor de perder um campeonato e se motivasse para fazer o que fosse preciso para levar o anel para casa. Resultado? Bom, Lakers campeão com Gasol jogando muito.

    Scottie Pippen, Kevin Garnett, Michael Jordan, Phil Jackson, pense em qualquer grande nome da NBA. Todos eles, pelo menos uma vez, já se manifestaram de forma unânime quanto a mentalidade assassina de Kobe que o fez destruir e dominar a liga durante muito tempo.

    Kobe Bryant: o maior Laker de todos os tempos?

    Kobe Bryant, one of the greatest Lakers ever, dies at 41 – Orange ...

    Bom, mas enfim, a pergunta que não quer calar é: Kobe é ou não o maior Laker de todos os tempos? Em minha opinião, sim. Ele é o melhor jogador que colocou a camisa Roxa e Dourada? Talvez não. Demérito nenhum já que esse manto sagrado já foi usado por Magic Johnson, Kareem, Wilt Chamberlain e, agora, LeBron James. Esses quatro nomes sempre estão na discussão de "melhor jogador de todos os tempos". Kobe pode não ter sido um melhor jogador que todos eles mas, com certeza, ele foi o que mais viveu o Los Angeles Lakers. Kobe, por um exemplo, é o único dos nomes que passou pelo Lakers que está no top 3 da franquia nos quesitos pontos (1°), assistência (2°), rebotes (3°) e roubadas de bola (1°). Além disso, ele é primeiro do Lakers nas seguintes categorias: partidas jogadas, minutos, arremessos tentados e convertidos, bolas de três tentadas e convertidas, lances livres tentados e convertidos e "win shares" (uma estatística que mosta o quanto ele influenciava nas vitórias do time). O segundo jogador que mais vestiu o amarelo e dourado o usou por 14 anos. Kobe o usou por 20. Mas, não só por isso ele é o maior Laker de todos os tempos.

    Sempre recebo essa pergunta: "você acha que ganhar o campeonato desse ano seria uma forma de honrar a morte de Kobe?". Sinceramente, não. Quem faz essa pergunta, não entende o real legado do Mamba. A história de Kobe não é sobre vencer. É sobre se doar. Se doar a ponto de deixar o jogo tranquilo por não ter mais nada a oferecer. Sair da temporada dando o máximo seria honra-lo. Ganhar seria um detalhe. Lembra? O importante é a camimhada.

    Kobe é o maior Laker de todos os tempos não pelas vitórias, números e conquistas. Também nem só por sua personalidade. Ele é o maior Laker porque ele foi o que mais doou seu sangue, Roxo e Dourado, pelo time. Não foram 20. Foram 41 anos apaixonado pelo basquete. Apaixonado pelo Los Angeles Lakers. 8, 24? Foram 7.300 dias usando a camisa do Lakers. 1.346 jogos. E querem saber? Se ele tivesse usado um número diferente para cada jogo, ele merecia ter todos aposentados. Não tivemos e não teremos outro Laker como Kobe Bean Bryant.

    Fala aí!