Espalhe!
  • facebook
  • twitter
  • whatsapp
  • Bate Papo 0
    Renato Campos

    13 de Setembro de 2022 postado por Renato Campos

    os_10_melhores_treinadores_da_era_moderna_da_nba

    Falar sobre a NBA normalmente envolve na maior parte do tempo falar dos times e das qualidades de seus jogadores.

    O que provavelmente não discutimos o suficiente, porém, é a maneira como os treinadores evoluíram a um plano similarmente alto.

    Com base nisso, o site Bleacher Report fez uma lista com os melhores treinadores da NBA da era moderna. Eles tiveram como critério, treinadores de times entre a temporada 2000-01 até o presente, os avaliando desde o sucesso da equipe, conhecimento técnico e capacidade de se conectar com seu jogadores. Pontos de bônus foram adicionados por longevidade, mas aqueles que seguiram o caminho mais rápido para triunfos imponentes também foram reconhecidos reconhecidos.

    Vamos dar uma olhada na lista.

    10. George Karl

    O melhor trabalho de George Karl veio antes de 2000, quando ele ajudou a corrida do Seattle SuperSonics no topo da Conferência Oeste em meados da década de 1990. Esse time foi responsável por três temporadas acima de 60 vitórias e pelo único campeonato de conferência em seu currículo.

    Em 2000-01, ele comandou o Milwaukee Bucks para 52 vitórias e quase os levou a uma viagem às finais. Mais tarde naquela década, ele se juntou ao Denver Nuggets e os transformou em uma potência da Conferência Oeste. Ele levou o time do Denver a nove aparições consecutivas nos playoffs, embora o time de 2008-09 tenha sido o único a avançar além da primeira rodada.

    9. Mike D'Antoni

    O legado de D'Antoni pode superar suas realizações reais, já que suas inovações ofensivas ajudaram a mudar a maneira como o basquete é jogado. Entre o ritmo frenético de sua equipe "Seven Seconds or Less" do Phoenix Suns ao estilo analiticamente inclinado que ele orquestrou com James Harden e o Houston Rockets, ele abriu o caminho para o jogo de ritmo e espaço de hoje.

    Suas equipes venceram pelo menos 53 jogos em sete ocasiões diferentes (quatro em Phoenix, três em Houston), e três deles chegaram às finais da conferência. O problema é que seu sistema não era para todos e ele lutava para se adaptar quando não se adequava ao seu pessoal. Durante mais de cinco temporadas com o Knicks e o Lakers, ele não teve vitórias em playoffs.

    8. Tyronn Lue

    Lue tem o currículo de treinador mais curto de qualquer um neste top 10, e 365 jogos distribuídos por seis temporadas, o impede de subir ainda mais. Ainda assim, o fato de ele ter conseguido uma vaga mostra o nível de sucesso que ele já desfrutou.

    Em sua primeira temporada, ele comandou o Cavaliers para o primeiro e único título da franquia. Eles venceram 101 jogos nas duas temporadas seguintes, ambas terminando nas finais. Ele deixou Cleveland logo depois que LeBron James em 2018, se juntou ao Clippers.

    7. Mike Budenholzer

    Budenholzer passou mais de uma década trabalhando como assistente na equipe de Gregg Popovich em San Antonio, e a influência de seu mentor é claramente percebida.

    A abordagem igualitária que ele criou com o Atlanta Hawks em meados da década de 2010 parecia profundamente enraizada na cidade de Alamo. O esquadrão não tinha uma super estrela, mas as peças individuais se uniram para causar um impacto de uma. O Hawks teve uma temporada de 60 vitórias, quatro viagens aos playoffs e três vitórias em séries na pós-temporada em seus cinco anos no comando.

    Desde que se mudou para Milwaukee em 2018, Budenholzer estabeleceu um Big Three, impulsionou a ascensão de Giannis Antetokounmpo, conquistou um título e teve temporadas de 50 vitórias com defesas sufocantes e ataques implacáveis.

    6. Rick Carlisle

    Um gênio tático, Carlisle teve duas temporadas de 50 vitórias e conquistou três séries de playoffs durante suas duas temporadas no comando do Pistons. Ele teve 61 vitórias durante sua temporada de estreia com o Pacers e então mudou-se para Dallas, onde conquistou seu primeiro e único título, liderando o Mavs contra LeBron James e o Miami Heat.

    5. Doc Rivers

    Na primeira temporada de Rivers como treinador principal da NBA (1999-00), ele levou para casa o troféu de Treinador do Ano.

    Ele é um comunicador claro e direto, e isso permitiu que ele se conectasse com seu vestiário, mesmo tendo mudado de vestiário quatro vezes desde 2000. Mas há razões para os jogadores seguirem seu exemplo. Motivos como: as 14 viagens aos playoffs que liderou nos últimos 15 anos; o título de 2008 que ele entregou ao Boston Celtics; o campeonato de conferência de 2010 que ele garantiu em Boston; as 16 vitórias na pós-temporada que ele supervisionou desde 2008.

    Ele é, simplesmente, um vencedor. Ele é um dos 10 treinadores da NBA com mais de 1.000 vitórias na carreira, e sua porcentagem de vitórias nos playoffs de 51 é a quinta melhor entre esse grupo exclusivo. Ele pode ter alguns problemas em seu currículo, e suas equipes nem sempre maximizaram seu potencial, mas seu histórico é enorme.

    4. Erik Spoelstra

    Erik Spoelstra terminou sua 14ª temporada como técnico do Miami Heat.

    Não importa que tipo de elenco Spoelstra tenha recebido, ele sempre os torna competitivos. Quando ele teve o poder de estrela necessário, ele aproveitou o momento com dois títulos e mais três canecos da Conferência Leste.

    Spoelstra se sente tão confortável dirigindo superstars quanto transformando agentes livres não draftados em regulares de rotação. Ele é teimoso em sua busca pela máxima competitividade, mas flexível na jornada para chegar lá.

    3. Steve Kerr

    Steve Kerr começou a treinar o Warriors em 2014. Em fevereiro passado, a menos de oito anos de sua contratação, a NBA nomeou Kerr como um de seus 15 maiores treinadores de todos os tempos. Ele já era tricampeão até então, e iria ganhar um quarto anel em junho.

    Kerr criou um sistema ofensivo que de alguma forma maximiza o impacto de Stephen Curry e mantém todos envolvidos ao seu redor. Na defesa, o Warriors de Kerr destruíu os adversários com um sistema de trocas pesadas que sempre aparece um passo à frente.

    Todos os itens acima se somam a uma corrida de grande sucesso que até agora apresenta quatro títulos (e mais duas aparições nas finais) em oito anos e uma porcentagem de vitórias de 68% na carreira, que ocupa o quarto lugar de todos os tempos. Se seu currículo se estendesse apenas por mais alguns anos, ele poderia ter ficado entre os dois primeiros e talvez ter chegado ao primeiro lugar.

    2. Phil Jackson

    Phil Jackson não teve que se contentar com muitas medalhas de prata durante sua carreira de treinador.

    Ele é o único técnico da NBA com uma porcentagem de vitórias na casa dos 70%. Ele também é o único com uma contagem de títulos de dois dígitos (11). Entre suas passagens pelo Bulls e Lakers, ele foi treinador principal por 20 temporadas.

    Embora seja verdade que ele fez seu melhor trabalho com alguns dos maiores talentos de todos os tempos (Michael Jordan, Scottie Pippen, Shaquille O'Neal e Kobe Bryant), seu melhor trabalho também veio sob sua direção.

    "A melhor maneira de resumir é que a crença de Phil em seus próprios jogadores supera em muito a de qualquer treinador que já joguei em termos de sua disposição de permitir que os jogadores sejam jogadores e façam as jogadas", disse Derek Fisher.

    Então, por que Jackson não está no seu habitual número 1? Porque avaliar os treinadores a partir da temporada 2000-01 significa eliminar metade de seu currículo, incluindo todo o seu mandato no Bulls e sua primeira temporada de título em L.A.

    1. Gregg Popovich

    A história da NBA moderna não pode ser contada sem pelo menos um capítulo dedicado a Gregg Popovich, a incrível corrida que ele fez parte com o San Antonio Spurs e seu impacto monstruoso na liga em geral.

    Entre 2000-01 e 2016-17, Popovich fez do pequeno mercado San Antonio o modelo de sucesso mais consistente da liga.

    O Spurs venceu pelo menos 50 jogos em todas as 17 temporadas, mesmo durante a campanha de 2011-12, que foi reduzida para apenas 66 partidas por um lockout. Eles levantaram quatro títulos durante esse período, fizeram outra aparição nas finais e venceram pelo menos uma série de pós-temporada em 14 desses 17 anos.

    Ele recebeu três prêmios de Treinador do Ano e foi nomeado um dos 15 maiores treinadores da história da NBA.

    Como explicou o ex-técnico da NBA e atual analista da ESPN P.J. Carlesimo, o sucesso profissional de Popovich está profundamente ligado à sua conexão pessoal com seus jogadores, assistentes e suas famílias:

    "Para mim, é mais sua capacidade de se relacionar com seus jogadores dentro e fora da quadra. E ele passa muito mais tempo fora da quadra em termos de relacionamento com seus jogadores do que eu acho que a maioria dos treinadores, é a sua capacidade de se conectar com as pessoas e o fato de que ele realmente se importa com eles, sua família e eles como indivíduos. Acho que isso também aumenta sua capacidade de ser exigente às vezes, porque ele é exigente. Mas ele é muito mais um cara positivo do que um cara negativo."

    Fala aí!

    Lakers Brasil: Desde 2006, tudo sobre o Los Angeles Lakers

    • Facebook
    • Instagram
    • Twitter