Espalhe!
  • facebook
  • twitter
  • whatsapp
  • Bate Papo 0
    Antonio Collar

    15 de Abril de 2024 postado por Antonio Collar

    porque_o_lakers_nao_deve_entregar_o_jogo_para_o_pelicans

    A temporada regular de 2024 da NBA terminou neste domingo (14), e os Lakers confirmaram a participação na repescagem pela terceira vez nos últimos quatro anos. Diferente das outras oportunidades, quando teve a chance de garantir a classificação em Los Angeles, o desafio agora será na estrada. O adversário será o New Orleans Pelicans, mesmo de ontem.

    Além de colocar Pelicans e Lakers frente a frente outra vez, os resultados do final de semana definiram outros cenários que interessam à turma envolvida no Play-in. Com 57 vitórias, o Oklahoma City Thunder assegurou a primeira colocação da Conferência Oeste, deixando para trás o Denver Nuggets. Apesar da campanha idêntica, os atuais campeões ficaram em desvantagem nos confrontos diretos, primeiro critério de desempate.

    De forma prática, isso significa que o vencedor do duelo desta terça-feira terá pela frente o time de Nikola Jokic logo na primeira rodada dos Playoffs. Diante do histórico recente de vantagem de Denver sobre os angelinos - varrida por 4 a 0 nas finais de conferência de 2023 e 100% de aproveitamento nos quatro encontros desta temporada - desde domingo as redes sociais foram tomadas por um debate: os Lakers deveriam perder para os Pelicans para escapar dos Nuggets?

    O assunto não ficou só entre os fãs. Nesta segunda-feira, o experiente apresentador Mike Greeny, da ESPN dos Estados Unidos, defendeu que abrir mão da partida contra New Orleans é um “risco que vale a pena correr”. Jornalista do site SB Nation, Harrison Faigen também argumentou a favor desta ideia.

    Por que os Lakers não vão "entregar" para os Pelicans

    Antes de analisar qualquer questão de jogo, é preciso falar o óbvio. Perder de propósito vai contra os princípios do esporte, e os Lakers não farão isso. Ainda que na NBA seja comum vermos times poupando seus principais atletas na reta final, muitas vezes impactando em futuros cruzamentos, isso não acontecerá em uma fase eliminatória. Muito menos com LeBron James envolvido.

    Agora, vamos à importância de derrotar os Pelicans na noite de terça-feira. A primeira está no próprio confronto e em seu histórico recente. New Orleans já deu todas as mostras possíveis de que Los Angeles não é um bom matchup para a equipe de Willie Green. Em quatro partidas entre os dois nesta temporada, vantagem de 3 a 1 para LA.

    Duas destas vitórias vieram em momentos decisivos e de forma avassaladora. A primeira, na semifinal da Copa NBA, terminou em 133 a 89. Na ocasião, LeBron só precisou de 23 minutos em quadra para marcar 30 pontos e encaminhar a classificação à decisão do torneio. Neste domingo, mais duelo dominado desde o início, com a vantagem chegando a 33 pontos em certa altura. Os Lakers se sentem confortáveis contra os Pelicans.

    Não se pode dizer o mesmo sobre os outros dois possíveis adversários em uma eventual segunda rodada no Play-in. Se não conseguir vencer seu jogo nesta terça, Los Angeles fugirá dos Nuggets e brigará apenas pela oitava posição, lugar de quem enfrentará OKC no primeiro round dos Playoffs.

    Para isso, porém, precisará bater o ganhador de Kings e Warriors, que jogam também amanhã, em Sacramento. Bem diferente dos Pelicans, estes dois já se mostraram como grandes dores de cabeça para o grupo treinado por Darvin Ham.

    A última derrota dos Lakers na temporada regular foi justamente contra os Warriors, há menos de sete dias. O time de Stephen Curry levou a melhor em três dos quatro encontros diretos de 2023-24 e marcou ao menos 128 pontos nas quatro oportunidades. Correr o risco de encará-los, ainda que na Crytpo.com Arena, não me parece valer tanto quanto acredita Mike Greeny.

    Com Domantas Sabonis, os Kings parecem um rival ainda mais complicado. Nas últimas oito partidas contra Los Angeles , Sacramento venceu sete vezes. E o ala-pivô lituano leva assustadora vantagem sobre Anthony Davis, tendo vencido em todas as 10 vezes que se enfrentaram na liga. Neste ano, vantagem de 4 a 0 para a franquia da capital da Califórnia, que teve média de 126.7 pontos nos duelos diante dos Lakers.

    Portanto, se os Lakers quiserem ir aos Playoffs, o melhor e mais fácil caminho é vencendo o jogo desta terça-feira. O adversário já mostrou-se mais fácil de ser batido do que os outros, e a equipe manteria o embalo, sem passar pelo susto de brigar contra uma possível eliminação na quinta-feira.

    Denver Nuggets: melhor que seja agora

    A hora de fugir dos Nuggets foi durante as 82 rodadas da temporada regular, mas os Lakers reprovaram nesta missão. O único caminho para isso agora é fracassar novamente e perder a partida desta terça-feira, em New Orleans.

    É inegável que o caminho do oitavo colocado parece mais tranquilo, sobretudo pelo fato de LA ter vencido OKC três vezes em quatro confrontos. Mas esta suposta facilidade acabaria logo na segunda rodada, com Clippers e Mavericks como possíveis semifinalistas.

    A verdade é que quem quiser ser campeão da NBA muito provavelmente terá de derrubar os atuais donos do troféu, e os Lakers não podem entrar na pós-temporada esperando que este serviço seja feito por outro time. Você precisa bater o melhor para ser o melhor, e este clichê se aplica na NBA em 100% das vezes.

    Se cruzar com Denver logo no primeiro round era o que todos queriam evitar, talvez para os Lakers esteja aí a sua melhor chance. Em 2023, era nítido o cansaço físico de LeBron James na série contra os Nuggets, após ter passado por testes de fogo contra Grizzlies e Warriors. Daqui até junho, a rotina será de praticamente um jogo a cada dois dias, e o impacto disso deve novamente aparecer para o camisa 23 na reta final.

    Ganhando dos Pelicans nesta terça-feira, LeBron e o restante do elenco terão o restante da semana para descansar e se preparar para enfrentar os campeões em condições iguais. A parada é dura, mas não tenha dúvidas de que os Nuggets também não gostariam de encontrar os Lakers logo de cara.


    Fala aí!